Teologia

Homilética

Homilética
Arte de preparar e pregar sermões. Vem de homília (grego – conversa entre amigos). Observamos que o tom da fala em homílias pode não ser o mesmo tom usado na evangelização, que tem nos contextos, frequentemente, a ideia de proclamação, com a palavra grega kerigma, e outras da mesma raiz, sendo muito empregada. Portanto homília seria mais apropriado ao ensino doutrinário. Era a pregação feita pelos presbíteros ou bispos para as congregações.

Ao preparar sermões busque sempre a orientação de Deus através da oração. Leia o texto diversas vezes e quando sentir que entendeu a mensagem faça a exegêse com base nas regras da interpretação (hermenêutica). Procure entender a mensagem simples e espiritual do texto. O que Deus está falando direta e claramente na mensagem. Não procure sentidos extravagantes e forçados.

Preste atenção à cada palavra e frase mas interprete-a segundo o contexto, sem invenções, sem forçar o texto.

Vamos fazer breve aplicação.

Lucas 10

30 E, respondendo Jesus, disse: Descia um homem de Jerusalém para Jericó, e caiu nas mãos dos salteadores, os quais o despojaram, e espancando-o, se retiraram, deixando-o meio morto.

31 E, ocasionalmente descia pelo mesmo caminho certo sacerdote; e, vendo-o, passou de largo.

32 E de igual modo também um levita, chegando àquele lugar, e, vendo-o, passou de largo.

33 Mas um samaritano, que ia de viagem, chegou ao pé dele e, vendo-o, moveu-se de íntima compaixão;

34 E, aproximando-se, atou-lhe as feridas, deitando-lhes azeite e vinho; e, pondo-o sobre a sua cavalgadura, levou-o para uma estalagem, e cuidou dele;

35 E, partindo no outro dia, tirou dois dinheiros, e deu-os ao hospedeiro, e disse-lhe: Cuida dele; e tudo o que de mais gastares eu to pagarei quando voltar.

36 Qual, pois, destes três te parece que foi o próximo daquele que caiu nas mãos dos salteadores?

37 E ele disse: O que usou de misericórdia para com ele. Disse, pois, Jesus: Vai, e faze da mesma maneira.

Não force com coisas do tipo “Descia um homem de Jerusalém para Jericó…” dizendo que o crente tem que descer, é verdade que tem, mas nesta passagem só um desceu e foi o samaritano, e não importa o sentido em que ele andava, mas o sentido em que o coração dele andava. Se você vai pregar sobre humildade procure um texto onde fala diretamente sobre isto ou exemplos inquestionáveis disto. A palavra descia aí está em sentido de descer fisicamente, até os mais orgulhosos desceram aquele caminho e continuaram orgulhosos, eles desceram mas não “desceram”. Nem tampouco queira usar o texto para dizer que ir para Jericó é um sinal de queda espiritual.

Aliás, esta passagem não está tratando sobre o homem que quase foi morto mas sobre as atitudes dos que passaram e o viram. Esta é a finalidade da mensagem. Jesus estava falando sobre o que é amar ao próximo. Temos que pregar sobre o assunto que a bíblia está tratando em cada texto. Seja qual for o tipo de sermão.

Se as pessoas lessem documentos, receitas médicas e etc, da maneira como fazem alguns irmãos na pregação, ia ser bem confuso: Tomar uma colher de sopa às refeições já não seria uma colher de sopa do medicamento mas uma colher de sopa (alimento sopa), 10ml certamente achariam algum significado para as letras ML (talvez Mais Ligação, quem sabe?), 01 comprimido à noite traria alguma interpretação mística da noite (seria um tal de “noite fala disto” ou “noite é mistério” ) e por aí em diante.
Ouvi um irmão pregando que dizia “Hoje você vai conhecer o apartamento de Deus, hoje você vai à presença de Deus” querendo dizer que as pessoas teriam uma maior comunhão com Deus e seriam arrebatadas à morada de Deus (que achavam ser o tal apartamento). O texto que ele estava usando, lido em uma antiga versão, era este Números 14:34 “e conhecereis o meu apartamento” sendo o sentido do texto (e conhecereis o meu afastamento). O texto tratava de castigo e não de benção. A maioria dos irmãos, entretanto, estava achando a pregação maravilhosa, pois entendiam que o Senhor, na passagem lida, chamava o povo para receber mais da sua presença. Se o irmão tivesse tido o cuidado de procurar o significado da palavra em um dicionário ou perguntar a alguém teria evitado isto.

Muitas vezes os próprios pastores são os culpados disto pois consagram neófitos (novatos) muito rapidamente desobedecendo as Escrituras. Alguns por não confiarem no Senhor buscam conseguir membros e auxiliares usando os recursos da mente carnal e depois é só problema. Leia o versículo 6 do texto abaixo, onde ordena não consagrar neófitos (novos na fé).

1 Timóteo 3

1 Esta é uma palavra fiel: Se alguém deseja o episcopado, excelente obra deseja.

2 Convém, pois, que o bispo seja irrepreensível, marido de uma mulher, vigilante, sóbrio, honesto, hospitaleiro, apto para ensinar;

3 não dado ao vinho, não espancador, não cobiçoso de torpe ganância, mas moderado, não contencioso, não avarento;

4 que governe bem a sua própria casa, tendo seus filhos em sujeição, com toda a modéstia

5 (porque, se alguém não sabe governar a sua própria casa, terá cuidado da igreja de Deus?);

6 não neófito, para que, ensoberbecendo-se, não caia na condenação do diabo.

Muitos não pregam a palavra de Deus mas aquilo que desejariam que ocorresse ou que sabem que os demais desejam e não o que Deus está ensinando. Querem pregar o que atinge as emoções e traz recompensas em reconhecimento através das reações dos ouvintes e não se importam com a verdade. Muitos são obreiros precipitados que antes de passar um bom tempo aprendendo se acham no dever de pregar o que lhes der na telha.

Isto ocorre por causa da tendência humana em buscar o jeito mais fácil, em todos os sentidos. Dá muito trabalho estudar a bíblia e ler bons livros e consagrar-se até que Deus tome posse total das nossas vidas e a use como quiser para sua glória, somente, traz muita humilhação e sofrimentos. É mais atraente para o nosso ego criar efeitos pscicológicos visando obter prestígio.

É claro que sempre existirão resultados psicológicos e emoções, considerando também questões de personalidade e carisma. O que está errado é fazer disto uma prioridade e de forma não natural.

Infelizmente a maioria de nós viveu sob esta cultura e hoje reproduzimos isto, mesmo tendo consciência do erro. Estou me esforçando para vencer.

Os Tipos de Sermões Mais Comuns São:
Sermão Textual – Usando um texto

Sermão Temático – Um tema com citação de vários textos sobre o mesmo

Sermão Expositivo – Onde se busca explicar detalhadamente o conteúdo de um trecho bíblico, um capítulo ou livro inteiro.

Sermão Ocasional – Sermão para ocasiões especiais: casamentos, quinze anos, funerais etc.

Pode-se ainda combinar dois deles. Exemplo: Sermão temático-textual. O importante é transmitir aquilo que Deus realmente falou. Expor o pensamento de Deus que está registrado no texto. Nada de invenções e suposições sem sentido.

Você nem precisa se prender obrigatoriamente aos tipos de sermões, mas deve pelo menos esforçar-se para que sua pregação tenha: Introdução, desenvolvimento e conclusão (começo, meio e fim). Leia os sermões no livro de atos e veja que todos tinham esta linha de pensamento. Observe que os sermões de Pedro, Paulo e Estevão possuìam além destas três partes um objetivo claro e bem definido. Eles buscavam pelo Espírito Santo, provar que Jesus era o Messias e lançavam mão de argumentos fortíssimos baseando-se em textos bíblicos e fatos. Estude isto com calma e comprove.

Estudemos as três partes do sermão:

Introdução – Parte onde o pregador prepara o ouvinte para desejar e compreender a mensagem. Deve ser rápida e apenas mencionar o assunto.

Desenvolvimento – Parte principal ou corpo da mensagem. Nesta parte o pregador argumenta e desenvolve o assunto.

Conclusão – É a parte final, faz a aplicação da mensagem. Aqui, o mensageiro procura levar a congregação a tomar decisões com base na mensagem. Deve ser curta e forte.

Cuidados:

01) Ao fazer menção de textos de referência, devemos deixar clara a ligação que há entre o texto de referência e o principal. Alguns obreiros pulam de um texto para o outro, sem mostrar aos irmãos o que tem os dois em comum.

02) Usar linguagem simples.

03) Não tomar tempo do sermão com assuntos seculares. É a Palavra de Deus que salva e santifica.

Penso que fazer aplicações práticas é muito necessário. Algumas ovelhas só sabem o óbvio sobre temas como humildade, misericórdia, mansidão, fé, etc. Exemplificar e mostrar outras áreas em que estas coisas não são praticadas, por ignorância, é essencial. Há irmãos que se acham humildes mas não suportam coisas mínimas e ficam aborrecidos, em alguns casos até sem falar com os demais irmãos. Ou são muito sensíveis e por qualquer coisa querem sair da igreja. Algumas vezes isto ocorre por falta de ensinamento mais objetivo. Afinal de contas os líderes foram postos por Deus para ensinar de forma clara a fim de que o rebanho entenda todo o alcance da Palavra.

Sobre a aplicação da pregação é lógico que podemos lançar mão dos princípios e aproveitar as similaridades, mas sem exagêros.

Exemplo:

1) Quando Jesus repreende os cambistas a lição não é só sobre o caso específico de vendas fraudulentas envolvendo o templo, mas pode ser aplicada contra todo interesse próprio, descaso e mau uso das coisas que pertencem a Deus ou foram destinadas ao seu louvor e serviço.

Aliás é preciso que fique bem claro, que os exemplos bíblicos são citados para ensinar ou reafirmar princípios doutrinários.

Espere que prosseguiremos, se Deus quiser!

 

Pr Acir Reis