Teses Teológicas

Jesus Era Realmente Um Revolucionário?

Jesus Era Realmente Um Revolucionário?

Apesar de não gostar muito do termo revolucionário em relação a Jesus, por observar que sempre que é usado abriga conotações da mente carnal e humanista. Desejo afirmar que a revolução pretendida e alcançada por Jesus tem ligação somente com o sentido original de transformação e mudança sensível (Wikipédia). Mas, de que tipo de mudança estamos tratando? De uma mudança muito mais abrangente e profunda do que a mentalidade não espiritual pode alcançar. Jesus inicia esta mudança, praticamente, desde o seu nascimento quando nasce na manjedoura e em uma família pobre, sendo o próprio Filho Unigênito de Deus e o Rei de Israel. Suporta as contradições humanas e muitas perseguições, escolhe pessoas simples para compor o seu ministério, tolera ser ofendido e maltratado, aceita mansamente a morte na cruz, símbolo de maldição.

Esta “revolução” é em direção contrária e totalmente diferente da revolução que exalta o ego e o braço da carne e cria “poderosos revolucionários” rebeldes, assassinos, orgulhosos, soberbos e etc. É a revolução que obedece a Deus com total alegria em fazer sua vontade. É o “Não seja como eu quero mas como tu queres” (Marcos 14.36). É a direção contrária à proposta da serpente aceita por Adão e Eva, é o leito para o rio da redenção fluir, é a “cura” da raça humana pelo retorno ao Pai pelo próprio Jesus. É a revolução do amor que só procede dele mesmo e a volta do homem ao seu “habitat natural” que é a presença de Deus. É a revolução que conduz o cristão a aceitar a humilhação e o nada ser neste mundo por amor a Jesus. É o sentido inverso dos valores terrenos subindo sem hesitação no “Monte do Sermão”.

Embora sua imensa compaixão tenha tratado das consequências a “revolução” de Jesus visava e visa aniquilar a causa que é o pecado. Ele socorreu pobres e enfermos por sua misericórdia infinita mas falou claramente que o que aprisiona e gera tais males é a escravidão do pecado. Jesus não veio contestar só os opressores humanos dos pobres mas a opressão em si e destruir o verdadeiro opressor, o diabo. Ele venceu e cumpriu tudo isto cabalmente, mas só reconhecem os que dão ouvidos à sua palavra e não às invenções sociólogicas que tentam reinterpretá-la à luz da falsa sabedoria humana.

Deus criou o homem para reinar e não para ser escravo do pecado com mil desculpas e explicações, mas é necessário que se creia na Palavra de Deus e se enxergue isto para caminhar com perseverança em direção à mansidão, humildade, obediência, pureza, temperança, justiça, paz, esperança, fé e amor de Cristo Jesus. Por isto os pobres e as criancinhas são os donos do reino dos céus, eles caminham na contramão do mundo. E por isto há choques.

Acir Reis