Teses Teológicas

O Ensino Cristão é Similar ao de Cristo e dos Apóstolos

O Ensino Cristão é Similar ao de Cristo e dos Apóstolos
Muitos crentes não gostam muito das reuniões de ensino, mas qual serão os verdadeiros motivos? Será que não estaríamos nós os líderes sendo responsáveis, em grande parte, por isto. Penso que sim, pois a liderança, desde os primórdios, abandonou a maneira de ensino dos apóstolos em prol de uma ministração oriunda do escolasticismo que faz uso de metodologia que “Nem nossos pais nem nós podemos suportar”.

Vamos observar Jesus ensinando.

Ao que alguns chamam Colégio Apostólico nunca ninguém viu Jesus promover qualquer tipo de decoreba ou definições de conceitos. Jesus nunca pretendeu que seus apóstolos soubessem dar definições clássicas para isto ou aquilo, mas visava corações puros e humildes.

Ele ensinava com autoridade e não como os escribas. Hoje se ensina como os escribas.
Mateus 7.29 porquanto os ensinava com autoridade e não como os escribas.

Fazia as pessoas se admirarem das suas palavras.
João 7.46 Responderam os servidores: Nunca homem algum falou assim como este homem.

Ardia os corações dos que ouviam.
Lucas 24.32 E disseram um para o outro: Porventura, não ardia em nós o nosso coração quando, pelo caminho, nos falava e quando nos abria as Escrituras?

Quantos aos Apóstolos

Podemos adotar os mesmos princípios existentes em

I Coríntios
2.1 E eu, irmãos, quando fui ter convosco, anunciando-vos o testemunho de Deus, não fui com sublimidade de palavras ou de sabedoria.
2.2 Porque nada me propus saber entre vós, senão a Jesus Cristo e este crucificado.
2.3 E eu estive convosco em fraqueza, e em temor, e em grande tremor.
2.4 A minha palavra e a minha pregação não consistiram em palavras persuasivas de sabedoria humana, mas em demonstração do Espírito e de poder,
2.5 para que a vossa fé não se apoiasse em sabedoria dos homens, mas no poder de Deus.
2.6 Todavia, falamos sabedoria entre os perfeitos; não, porém, a sabedoria deste mundo, nem dos príncipes deste mundo, que se aniquilam;
2.7 mas falamos a sabedoria de Deus, oculta em mistério, a qual Deus ordenou antes dos séculos para nossa glória;

Destacando-se a cruz de Cristo, humildade e poder. Não levando os crentes a se apoiarem em sabedoria humana.

Irmãos, pensem nisto, que apesar de os escribas e fariseus estarem assentados na cadeira de Moisés, e o povo tendo o dever de escutá-los, foi João Batista quem conduziu multidões sedentas ao verdadeiro conhecimento. É verdade que o povo é destruído quando falta conhecimento, mas também é verdade, que necessita do tipo de conhecimento que transforma corações e não do que exalta a carne.

É fato comprovado pelos relatos de todos os grandes avivamentos históricos, que o desejo dos crentes pelo ensino da bíblia e pela oração crescia substancialmente nestes períodos. Antes dos avivamentos, os cultos de ensino e de oração eram sempre muito pouco frequentados. Depois dos avivamentos, entretanto, a frequência crescia espantosamente. O que falta é despertamento espiritual. Mas como alcançar o despertamento se não houver mudança na igreja a partir da liderança? O que vemos é irritabilidade, ciúmes, desconfianças, crentes que odeiam, ensino segundo o mundo e coisas do tipo.