Teses Teológicas

Sobre o Livro de Ester

Sobre o Livro de Ester
É um dos dois livros da bíblia em que não há referências diretas sobre Deus, o outro é Cantares de Salomão. Todavia a mão de Deus, em ação, se vê por todo o livro, bem como sua providência para com seu povo. Neste livro nós podemos enxergar com clareza, que Deus é o Senhor absoluto sobre o passado, presente e futuro e que ele intervém poderosamente na história do seu povo e controla o final segundo sua boa vontade.

Deus sabe o que ainda vai acontecer e opera para livrar os seus queridos, quando encontra integridade nos corações como vemos em Mardoqueu e Ester. Observe que a presciência divina viu o plano que o maligno havia arquitetado para destruir os judeus ali na Pérsia e certamente depois ocorreria o mesmo em Jerusalém, paralisando os esforços de reconstrução, em em todas as partes. O Senhor sabia que o diabo colocaria um terrível ódio contra Mardoqueu (Mordecai) no coração do perverso Hamã, e faria deste homem um instrumento do mal para destruir os judeus.

Mas Deus moveu as peças estrategicamente e fez com que Vasti fosse destituída, plantou Mardoqueu na fortaleza, levou Ester como rainha ao palácio, fez Mardoqueu escutar os planos de conspiração de Bigtã e Teres, tirou o sono do rei para que lesse as crônicas da Pérsia e soubesse do feito de Mardoqueu, colocou no coração de Ester que convocasse o jejum, fez com que o rei Assuero aceitasse a rainha Ester ao entrar sem permissão em sua presença, fez o inimigo do seu povo cair em desgraça até a derrocada final.

Com tudo isto Deus providenciou livramento para os judeus e salvou o seu povo. Israel é o escolhido de Deus e apesar de não ser, naquele momento e durante muitos anos, uma nação totalmente livre o Senhor jamais se esquece do seu povo. O cativeiro babilônico havia acabado, mas os descendentes de Israel ainda viviam consequências da sua desobediência. Todavia Deus castiga Israel como um pai castiga seus filhos e nunca permitirá que sejam destruídos, mas seus planos, que jamais falharão, são de total restauração e glória. Leia

Jeremias 31:20 – Não é Efraim para mim um filho precioso, criança das minhas delícias? Porque depois que falo contra ele, ainda me lembro dele solicitamente; por isso se comovem por ele as minhas entranhas; deveras me compadecerei dele, diz o Senhor.

Para as crianças das delícias do Todo Poderoso não adianta lançar sortes, não vale advinhação nem encantamento. O inimigo se enrola em seus planos contra o povo escolhido por sua própria maldade que põe em alguns corações. Deus todavia, transformou o luto em festa e até hoje se celebra o Purim. Muitos se fizeram judeus naquela ocasião, em virtude de entenderem que os escolhidos de Deus tem sua proteção.

Isto traz grandes lições para nós, que também somos descendência de Abraão, em sentido espiritual, pois fomos ligados à oliveira através da fé em Jesus, o Messias, o descendente de Abraão. Estamos debaixo de promessas similares e também de tratamento similar, inclusive a correção quando for necessário, mas nosso final também será de glória se aprendermos a obediência da fé.