Teses Teológicas

Sobre Sermões

Sobre Sermões
Sobre a Pregação

Seja o sermão expositivo, temático, textual, ocasional, ou misto, o importante é que o pregador seja fiel e transmita mensagem bíblica, ensine o que a bíblia está realmente ensinando, usando o seu texto como ele é, sem alegorias descabidas, sem deturpar o sentido das palavras. Pode-se errar, involuntariamente, em alguns textos difíceis, o que não podemos fazer é inventar o que o texto não diz. Exemplo: Houve uma época em que muitos irmãos aproveitavam a palavra descer de textos literais aplicando no sentido de humilhar-se, isto é o cúmulo e em qualquer tipo de sermão, exceto se a palavra descer naquele texto tiver o sentido de humilhação. Seria como se alguém lesse para outro uma carta enviada por você e utilizasse suas palavras em sentido diferente sem buscar entender o sentido que você pretendeu.

Podemos errar involuntariamente na interpretação, mas não podemos forçar o texto a fim de obter efeitos emocionais nos ouvintes. No mínimo precisamos de cautela e devemos lembrar que a historia da igreja nos mostra os grandes erros cometidos por interpretações alegóricas que deturparam a verdadeira pregação . Temos que transmitir o que a bíblia já ensina e não inventar. A mensagem está no texto e no contexto, devemos procurar entender o que Deus está falando e anunciar aos ouvintes. É justo que usemos algumas figuras de linguagem, mas é preciso cuidado para não perder o verdadeiro sentido da mensagem.

A pregação deve ser feita buscando a glória de Deus e não o sucesso do pregador. Deve ser simples, lógica e o mais ordenada possível, contudo o essencial é comunicar o poder da cruz de Jesus Cristo aos homens e fazer isto sob a unção do Espírito Santo, não devemos visar só o intelecto, mas também o coração dos ouvintes. Pode ocorrer em certos casos da pregação deixar pontos à pensar, talvez justamente para provocar a reflexão sobre o que o pregador quis dizer, especialmente quando enfatiza algumas verdades. Nas epístolas de Paulo havia pontos difíceis de entender.

Nosso propósito principal não deve ser a exposição de vocábulos e frases, mas a exposição da mensagem que eles contém. O pregador sabe que o próprio Cristo é a Palavra de Deus, e pelo Espírito de Jesus ele busca levar o próprio Cristo aos corações e mentes. Quem conseguir isto pela pregação, terá sido um servo fiel a Deus, mesmo com erros gramaticais e pobreza de estilo.

1 coríntios 2:4 A minha palavra e a minha pregação não consistiram em palavras persuasivas de sabedoria humana, mas em demonstração do Espírito e de poder,

Seria bom que os pregadores fizessem um estudo nos sermões do livro de atos dos apóstolos. Os que assim fizerem verificarão que o propósito de tais sermões era comunicar a obra e a majestade de Jesus Cristo, que morreu pelos pecadores e ressuscitou dentre os mortos, e que está glorificado à destra do Pai, as conclusões eram sempre neste ponto. Mostravam o contraste entre a rejeição sofrida por Jesus e a grandeza do seu nome diante de Deus. O discurso de Estevão, o primeiro mártir relatado no NT, tenta levar ao mesmo ponto comparando a rejeição que sofreram José pelos seus irmãos e Moisés pelo seu povo. Quando estes sermões tratam sobre a promessa do batismo com o Espírito Santo, ou sobre outras promessas o fazem sempre em Jesus Cristo sendo o doador. Advertem ainda sobre as consequências para os que rejeitarem a pregação e sobre as bençãos para os que aceitarem. Leia os capítulos dois , três, quatro, sete, dez, treze e outros discursos feitos pelos apóstolos.